Mesmo com a mudança de gestão, e com a cantora e compositora Margareth Menezes à frente do Ministério da Cultura, a pasta mantém a dificuldade histórica de diminuir a alta concentração de recursos da Lei Rouanet na Região Sudeste, a mais rica e populosa do país. Levantamento feito pelo GLOBO com todos os 1.474 projetos aprovados este ano e que já captaram recursos mostra que 54% foram para essa região, somando 808 projetos.

O ministério reconhece as dificuldades e afirma que tem atuado junto aos patrocinadores num trabalho de conscientização sobre a importância de expandir os investimentos para regiões menos favorecidas. O secretário nacional de Economia Criativa e Fomento Cultural, Henilton Menezes, admite existir uma desigualdade geográfica “histórica” na distribuição de incentivo.

“Pensando por parte dos patrocinadores, eles não querem colocar dinheiro em projetos que não vão dar visibilidade. O governo poderia criar uma política de incentivos diretos para a empresa, como fiscal, para aumentar o investimento em outros estados e chegar à pluralidade”, analisa o diretor do Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor, Jonas Sales.

Confira a reportagem completa publicada pelo GLOBO:

https://oglobo.globo.com/google/amp/cultura/noticia/2023/07/16/lei-rouanet-ainda-concentra-recursos-na-regiao-sudeste.ghtml